Skip navigation

image

Muito legal esse faqueiro que está a venda na loja de bikes Tag and Juice. Vale a pena conhecer a loja. Ela fica no Beco do Batman, na Vila Madalena em São Paulo. Valor: R$1.500

image

Exposição no Mube:

“Nona edição da exposição traz a produção de arte conteporânea, que é feita além das paredes, aparecendo de forma concetual em diversos suportes: telas, madeiras e esculturas entre outras”

A arte acima foi criada por Shock

Acabou de ir pro ar um vídeo do show dos Strokes em Nova York em que Elvis Costello se juntou à banda para tocar Taken For A Fool. A música escolhida é do novo disco Eagle, lançado em 18 de março. A apresentação aconteceu no último dia primeiro de abril no Madison Square Garden. Confira o resultado abaixo:

Opinião de buteco…

Saltando freneticamente pelos links da internet encontrei no You Tube um vídeo que me intrigou. Trata-se do show da banda Dr. Fugazzi, ao vivo em Goiânia, fazendo um tributo ao Engenheiros do Hawaii. Como alguém pode ligar o nome Fugazzi ao Engenheiros do Hawaii! Que contradição, não? É quase uma heresia para punk rockers. Onde está a ética dos roqueiros em casos como esse ó Senhor Joey Ramone!  Fugazzi foi uma das mais brilhantes bandas de punk rock do mundo, motivada por roqueiras considerações éticas e morais: como cobrar apenas cinco dólares o ingresso dos shows, manter-se fiel à identidade sonora, e claro, a lealdade dos integrantes, pois o Fugazzi nunca mudou sua formação.

Tudo bem, não conheço a banda Dr. Fugazzi, o cover não é ruim e parece que as pessoas gostaram da apresentação. Nem sei também se eles conhecem a banda americana. Nem se o público deles conhecem. Mas, se não, deveriam.

Vamos ao pecado:


Agora a reza!

A parte mais legal da internet é quando a imensa quantidade de informação e novidade se encontram com a criatividade, e fica melhor ainda se vier acompanhada de bom humor. No mesmo dia do rasteiro lançamento de Kings Of Limbs – oitavo álbum da Radiohead – pessoas do mundo inteiro já faziam versões do clipe da nova música de trabalho, Lotus Flower, em que Thom Yorque dança sozinho doidão. Claro que isso repercutiu aqui no Brasil, onde o líder do Radiohead entrou no ritmo do carnaval e dançou à Globeleza, foi pro funk ao som de Claudinho e Bochecha, mas eu gostei mesmo quando ele comeu merda com Mukeka di Rato. Confira abaixo, genial!

 

 

 

Rua Rui Barbosa, bairro Bela Vista, em São Paulo.

 

 

 

Se o Google fosse decidir os ganhadores do Oscar 2011 certamente o resultado seria a voz do povo, ou melhor, as buscas. Então, vale a pena fazer brincadeira com os indicados ao prêmio. De acordo com as tendências de buscas o vencedor entre os indicados para melhor filme seria o suspense  “O Cisne Negro” (Black Swan), estrelado pela bela Natalie Portman.

And the Oscar goes to: Para conferir quais são as tendências de busca para as outras categorias é só clicar no link e ver a pesquisa no Google Insights:

Melhor Filme (Global)
Melhor Filme (Brasil)
Melhor Diretor
Melhor Atriz
Melhor Ator
Melhor Ator Coadjuvante
Melhor Atriz Coadjuvante

Assista ao trailer de o Cisne Negro (Black Swan).

 

 

 

No início de 2011 os astrônomos do Planetário de Minnesota, nos Estado Unidos, afirmaram que por causa da atração gravitacional da Lua sobre a Terra, o alinhamento das estrelas com nosso planeta foi empurrado por cerca de um mês. Ou seja, os signos do zodíaco estão errados. Até um novo signo foi descoberto, o Serpentário – de 29 de novembro a 17 de dezembro. Com a novidade os sites de notícia do mundo inteiro botaram lenha na fogueira entre ciência e superstição, como na matéria do G1. Muita gente deve ter ficado inconformado com a mudança, pois a notícia também bombou nas redes sociais no dia 13 de janeiro.

E daí? – E daí que Piotr Kaczmarekum, diretor criativo da agência Dynamic Diagrams, criou um planetário digital. Nele é possível ver  a evolução do sistema solar no tempo. Você pode escolher entre o sistema Copérnico, com o Sol no centro, ou o Tychonico, com a Terra no centro do Universo. E ainda dá pra ver a os signos do zodíaco, mas sem polêmica, já eles estão alinhados da forma tradicional como sempre estiveram por todos esses anos nas tiras dos jornais. Vale a pena dar uma olhada, mesmo que você não goste de astronomia ou astrologia, pois o infográfico é muito bem feito e fácil de usar.

É inquestionável o papel das redes socias nas manifestações populares no Egito e, agora, na Líbia. A página da Líbia no Trendmap, ferramenta que mostra os trends ao redor do planeta, apresenta em tempo real informações da revolta que acontece no país, os principais links compartilhados, vídeos, imagens e quem são as pessoas importantes do país que estão no Twitter. Ótimo para saber como a internet está sendo usada a favor da democracia.

 

 

 

Na última sexta-feira, dia 18 de fevereiro, o Radiohead lançou the King of Limbs, o oitavo álbum da banda. Eles que inovaram o lançamento de discos usando recursos digitais, continuam com a fórmula: King of Limbs pode ser baixado no site do Radiohead em dois formatos diferente – em mp3, por 9 dólares, e em WAV, de melhor qualidade, à venda por 14 dólares. O álbum será vendido nas lojas somente em maio. Abaixo o HEY! leu algumas críticas sobre o novo álbum do Radiohead publicadas em alguns dos principais veículos do Brasil e do mundo, além da opinião de blogs especializados.

A primeira impressão – A crítica da Folha de S.Paulo, escrita pro Thales de Menezes, classificou o álbum como ruim. Menezes não gostou da experimentação e da mistura de referências que a banda fez nas músicas, diz ainda que o disco não é muito brilhante, já que os músicos repetem coisas que foram feitas nos álbuns anteriores. No entanto, o crítico lembra que a cada música “você descobre algo novo e pode ser que com as audições futuras você ache ele melhor”. O G1 traz duas opiniões: para Marcus Vinícius Brasil, que gostou do disco, “The king of limbs não é a obra-prima do Radiohead. Mas faz lembrar, felizmente, que mesmo soando como o avesso de Lady Gaga ou Kesha, dá para fazer um álbum relevante na música pop”. Já Gustavo Miller, que não gostou, diz que o álbum “perde a aura pop e rocker do excelente “In rainbows” e aponta para um retorno da fusão jazz, rock e eletrônica de “Kid A” e “Amnesiac”, justamente os trabalhos mais “cabeça” de Thom Yorke e companhia”. Leia a crítica da Folha de S.PauloG1.

Na gringa – Neil McCormick, do jornal britânico The Telegraph, disse que o disco “inquieta, mas, apesar da ousadia e estranheza, vai bem no ouvido”. A crítica do The Reviews Blog, site da publicação britânica NME, escrita por Luke Lewis, classifica The King of Limbs como um “um álbum para se adimirar, não para se amar”. Quem quiser mais uma opinião pode ler a crítica de Ben Graham, do blog The Quietus, que escreve sobre todas as músicas do disco. “É muito cedo para dizer que este poderia ser o melhor álbum do Radiohead até hoje, mas estou tentando”, escreve Graham. Leia as críticas completas do The Telegraph, NME e The Quietus.

Confira abaixo o clipe da faixa “Lotus Flower”, primeira música de trabalho do “The King of Limbs”, e tire suas conclusões.

 

 

 

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.